Destacado

O que é ESP

ESP é a sigla em inglês para English for Specific Purpose (inglês por razões específicas) muitas vezes traduzido como inglês instrumental, a exemplo das oficinas de inglês para leitura comum nas universidades. Porém, com um entendimento mais atual procuramos ver a sigla com um significado mais abrangente, ou seja, como entendemos na nossa prática, ESP vai além de especificar, por exemplo, o vocabulário de uma determinada área técnica.

Ao analisarmos o eixo necessidades do prospectante, levamos em consideração também sua  modalidade de aprendizagem. Temos assim, um sujeito aprendente com necessidades intrínsecas e extrínsecas de trabalho, estudo, ou outra necessidade que venha compor seu perfil.

Entendemos a interconexão entre os saberes e podemos assim fazer desse conhecimento de mundo facilitador do novo aprendizado. Todas as atividades propostas visam integra os novos conhecimentos à base construída e/ou em construção.

Nossa missão é tornar nosso aluno gestor de seu conhecimento, com autoconfiança e autorresponsabilidade.

Assista ao vídeo institucional e veja o Professor Marcos Marques explicando o conceito.

 

Anúncios

Quando a psicopedagogia encontra-se com o ensino de inglês

Quando a psicopedagogia encontra-se com o ensino de inglês

Neste e-book o autor faz uma breve apresentação dos resultados obtidos na linha de pesquisa que desenvolve. O livro está  divido em três seções. Na primeira parte é apresentado o conceito de aprendizagem de inglês e o ensino de inglês no Brasil (principalmente para adultos).  Na segunda parte a Psicopedagogia é situada nesse contexto fazendo inicialmente um breve levantamento histórico da área de conhecimento no Brasil. E na terceira parte o autor apresenta os resultados da pesquisa realizada com o intuito de gerar questionamentos sobre o quefazer psicopedagógico, e mostrar como o campo de conhecimento pode gestar novos modos de pensar.

Importante tanto para a área de ensino de inglês, educação de adultos, educação continuada, psicopedagogia preventiva e todas as outras áreas que se interessam e se beneficiam do tema. Vale a leitura.

O e-book tem distribuição gratuita e pode ser baixado aqui. Importante lembrar apenas que ele é protegido por direitos autorais, seu uso é livre, respeitados os direitos do autor, então por favor, caso queira utilizá-lo não esqueça de fazer a citação completa. O autor agradece.

Boa leitura!

Marcos Marques

Curso EAD “Voice and Articulation”

O curso EAD Voice and articulation, desenhado especialmente para brasileiros que estejam aprendendo inglês.

Nosso objetivo nesse curso é demonstrar que falar inglês de forma clara e articulada demonstrando segurança e fluência é algo possível com a aplicação de algumas técnicas e estratégias.

#1 – método para adquirir não só um bom sotaque, mas também adquirir entonação e ritmo como um falante fluente;

#2 – Quais são os sons que um falante de inglês usa diariamente que são difíceis, para não dizer aparentemente impossíveis, de serem dominados por aqueles que ainda estão aprendendo o idioma;

#3 – O uso de “s” ou “z” no final das palavras. Você sabia que a letra “s” pode ser falada como um “z” e não é como as regras em Português?

#4 –  A pronúncia  adequada de sons como “th”, “r”, “l”;

#5 – O problema dos ditongos que confundem e consomem tantos alunos de inglês;

Essas aulas são para você se:

  • Você estuda inglês a mais de 2 anos
  • Inglês não é a sua língua materna
  • Falar em público faz parte do seu trabalho
  • Você está tentando melhorar a sua carreira ou um bom nível de inglês é necessário no seu trabalho atual ou futuro.

O que ensinamos no “Voice and Articulation” basea-se no General English, ou Broadcast English, ou seja, o inglês como acontece nos telejornais americanos. Você não identifica um sotaque específico. Sempre que possível também, usamos o IPA – International Phonetic Alphabet – Alfabeto Fonético Internacional. Aquele que você encontra nos dicionários!

Lembre-se que a prática leva a perfeição – Marcos Marques

Nossa missão no Inglês ESP é torná-lo gestor de sua aprendizagem, então ouse e o poder lhe será dado.

Assista ao vídeo introdutório, clicando aqui!

 

Fundamentando o Perfil do Seu Inglês

conquer the word_esp

 

Segundo Santos, ESP “é a especialização do ensino de inglês levando em consideração características que a Análise de Necessidades nos ajuda a elaborar”[1]. Conceito corroborado por Hutchinson e Waters[2] , Celani[3] e Robinson[4] entre outros.

Assim, certamente se um indivíduo nos procura com interesse de aprimorar sua leitura, digamos, acadêmica, nosso trabalho é ajudá-lo nessa empreitada. Contudo, como entendemos e como agimos ao utilizar a abordagem ESP é a de que precisamos desenvolver certas habilidades no aprendente. É leitura interpretativa, no caso de nosso exemplo, mas é ainda ajudar o aprendente a desenvolver habilidades de articulação linguística, é auxiliá-lo na compreensão e eficaz utilização de sua modalidade de aprendizagem. Nosso objetivo sempre é gerar o aprender a aprender.

Ao nos contatar o então prospectante nos fornece alguns dados para o processo de elaboração do seu perfil: em que nível de utilização do idioma está, quais são as aprendizagens que traz para essa experiência. O resultado dessa investigação nos ajuda a construir o que chamamos de Perfil do Seu Inglês.

O próximo passo então é olhar para a Análise de Necessidades com a perspectiva do Perfil do Seu Inglês e junto com um professor experiente elaborarmos o plano de ação. O trabalho do professor experiente é construir um syllabus que possa fornecer os subsídios, ou dito de outra forma, que responda a pergunta feita na NA: para quê você precisa aprender inglês?

O trabalho do aprendente é participar ativamente de todo esse processo. Não só no sentido de cumprir com as tarefas pedagógicas propostas, mas também no sentido de apropriar-se do processo numa autoria de pensamento[5].

Nosso objetivo é trabalhar os conteúdos então propostos de forma que aumente o sentido de autoria, autonomia e responsabilidade.

A Análise do áudio

A escuta do conteúdo em inglês está fundamentada nas concepções de voz e articulação como pontuadas por Mayer[6], Mojsin[7] e Gilbert[8]. Os parâmetros de definição de colocação do prospectante no nível baseiam-se tanto no CEFR[9] e no GSE[10].

Dessa forma os temas abordados pelo prospectante são auscultados para a elaboração de hipóteses do que se tem e oferecer algumas sugestões de melhoria, de áreas a serem trabalhadas, etc. No momento do feedback ainda reunimos as informações coletadas na Análise de Necessidades.

A competência comunicativa como abordagem

A competência comunicativa como um paradigma que defende a capacidade comunicacional como eixo norteador do trabalho. Nessa abordagem interessa-nos o desenvolvimento global do aprendente. Grandes contribuições trazem os estudos teóricos de Jennifer Jenkins[11] e Barbara Seidlhofer[12] que defendem a ideia do inglês como língua franca (ELF), que coloca o idioma como veículo para a comunicação intercultural. David Crystal[13] postula que 1,5 bilhões de pessoas falam inglês no mundo, com uma população estimada de 400 milhões de nativos. Esses números demonstram a influência do inglês nas trocas interculturais em todo o mundo.

Nossa missão é difundir conhecimentos de língua inglesa através de aulas presenciais e/ou online, cursos e palestras  no ambiente corporativo ou acadêmico, para que nossos alunos se tornem gestores de sua aprendizagem, com clareza e assertividade. Realizamos esse trabalho de forma inovadora com alegria e entusiasmo.

Referências

[1] SANTOS, M. A. M. ESP no ambiente corporativo brasileiro. Rio de Janeiro: UNESA, 2015.
[2] HUTCHINSON, T.; WATERS, A. English for specific purposes: a learning-centred approach. Cambridge, Cambridge University Press, 1987.
[3] CELANI, M. A. A. The Brazilian ESP Project: an evaluation. PUC/SP. São Paulo: EDUC, 1988.
[4] ROBINSON, P.  ESP – English for Specific Purposes. Pergamon Press, 1980.
[5] FERNANDEZ, A. Os Idiomas do Aprendizado. Porto Alegre: Artmed, 2001.
[6] MAYER, L. V. Fundamentals of voice and articulation. 15 ed. New York: McGraw Hill, 2013.
[7] MOJSIN, L. Mastering the American accent. Hauppauge, NY: Barron´s Educational Series, 2014.
[8] GILBERT, J. B. Clear speech: pronunciation and listening comprehension in North American English: student´s book. 3 ed. New York: Cambridge University Press, 2005.
[9] COUNCIL OF EUROPE. Common European Framework of Reference for Languages (CEFR): Learning, teaching, assessment. Cambridge: Cambridge University Press, 2001.
[10] PEARSON, Global Scale of English (GSE): learning objectives for Professional english. New York: Pearson Education Limited, 2015. PDF.
[11] JENKINS, J. Repositioning English and multilingualism in English as a Lingua Franca.   Englishes in Practice, 2, (3), pp. 49-85.(doi:10.1515/eip-2015-0003), 2015.
[12] SEIDLHOPER, B. Understanding English as a lingua franca. Oxford: OUP, 2011.
[13] CRYSTAL, D. Emerging Englishes. [on line] Disponível em <www .davidcrystal .com/ ?fileid =- 4038> Acesso em 14 de julho de 2017.

 

A Análise de Necessidades

find your way

Nossa missão no Inglês ESP é difundir conhecimentos de língua inglesa através de aulas presenciais e/ou online, cursos e palestras no ambiente corporativo ou acadêmico, para que nossos alunos se tornem gestores de sua aprendizagem.

Nossa visão é apoiar as pessoas no reconhecimento de sua capacidade de aprender e assim desenvolver seu potencial.

A Análise de Necessidades que é um importante momento no ESP é um instrumento a ser preenchido com o máximo de precisão. Assim que tivermos respondido ao maior número de questões: essas respostas nos auxiliarão em como abordar determinado tema. ESP “é a especialização do ensino de inglês levando em consideração características que a Análise de Necessidades nos ajuda a elaborar” (SANTOS, 2015[1]). Conceito corroborado  por Hutchinson e Waters[2] , Celani[3],  Robinson[4] e muitos outros.

Os Cursos ESP são elaborados a partir dessa premissa. Então nosso papel é guiar o prospectante na elaboração de caminhos para atingir seus objetivos na aprendizagem de inglês.

A Análise de Necessidades pode iniciar-se com uma conversa ou com o preenchimento de um formulário com questões de levantamento. Quando um adulto começa a descrever o que faz, suas experiências anteriores com a aprendizagem de inglês, etc. e os motivos que coloca para necessitar aprender, ou aprimorar o idioma agora – são elementos que nos ajudam a iniciar um conjunto de hipóteses para a construção do curso que atenda seus objetivos.

No Inglês ESP, o Perfil do Seu Inglês, que é como desenvolvemos o nivelamento, em conjunto com a Análise de Necessidades, são as ferramentas nas quais nos apoiamos para a elaboração dos cursos.

Quer saber mais? Gostaria de um curso de inglês que atendesse alguma necessidade específica?

Entre em contato conosco pelo email: info@inglesesp.com.br e conversamos por lá.

Comece onde está. Use o que você tem. Faça o que puder

Take care!

[1] SANTOS, M. A. M. ESP no ambiente corporativo brasileiro. Rio de Janeiro: UNESA, 2015.
[2] HUTCHINSON, T.; WATERS, A. English for specific purposes: a learning-centred approach. Cambridge, Cambridge University Press, 1987.
[3] CELANI, M. A. A. The Brazilian ESP Project: an evaluation. PUC/SP. São Paulo: EDUC, 1988.
[4] ROBINSON, P.  ESP – English for Specific Purposes. Pergamon Press, 1980.

 

Como criar um bom ambiente de aprendizagem online

success_insta

Pode ser fácil perder a concentração quando se está aprendendo online com tantas distrações apenas a um clique.

Leia as dicas para criar um ambiente de estudo produtivo de forma a tirar o melhor proveito de seus estudos online. Com pequenos passos você pode remover distrações e criar um espaço de aprendizagem online prazeroso.

O ensino à distância (EAD) requer determinação: não há um professor ao seu lado para motivá-lo e existem inúmeras distrações apenas a um clique. Sua aprendizagem está em suas mãos, é com você prosseguir, e como se faz?

Um bom ponto de partida é criar um ambiente prazeroso para a aprendizagem, removendo as distrações. Algumas recomendações que podem te ajudar:

  1. Arrume um espaço

Pilhas de papeis e livros podem parecer impressionantes  numa primeira olhada, mas uma avalanche de livros e papeis fora do lugar podem se tornar grandes distrações! Então assegure-se de ter espaço o bastante para o aparelho que você está utilizando para a conexão com o ambiente virtual de aprendizagem e reserve também uma área para tomar notas se o assunto requerer. Limpe sua área de trabalho em volta de você para evitar as distrações e aumentar o foco no seu aprendizado. Continuar lendo “Como criar um bom ambiente de aprendizagem online”

Cost an arm and a leg!

cost-an-arm-and-a-leg

(Informal) Be extremely expensive. Cost a lot of money.

Mary’s dress is pure silk. It must have cost an arm and a leg.

It cost an arm and leg, so I didn’t buy it.

Notice how interesting is the way idioms work in English and give this fluency to the situation. Similarly, we in Brazil have a lot of idioms and for the one here, we also use part of the body to describe something as expensive: “custar os olhos da cara”!

It´s really amazing how languages work. Did you like this one? Share the post and put your suggestions on the comments. And thanks for visiting:P